Após aporte de US$ 500 milhões, iFood mais que duplica de tamanho

0
149
Empresa hoje já ultrapassou inclusive alguns dos principais players globais

Líder em food delivery da América Latina cresceu 130% nos últimos 12 meses e agora está 17 vezes maior que seu principal concorrente no mercado brasileiro

O iFood, líder em delivery online de comida na América Latina, mais que dobrou de tamanho considerando o número de pedidos nos últimos 12 meses investindo sobretudo em inteligência artificial (IA) e automatização dos processos de logística.

A empresa atingiu 17,4 milhões de pedidos no mês de março, no Brasil, crescimento de quase 130% em comparação aos 7,7 milhões de pedidos no mesmo período no ano anterior. O número de novos clientes atingiu 12,6 milhões em mais de 500 cidades, incluindo 66 mil restaurantes e 120 mil entregadores trabalhando para atender o mercado brasileiro diariamente.

A execução de entregas de refeições por meio da própria rede logística atingiu 3,3 milhões de solicitações no país, crescendo 12 vezes desde março de 2018. Isto representa uma revolução no mercado de serviço de entrega de alimentação, transformando o iFood no líder de categoria “Own Delivery” no País.

O iFood começou como uma rede integrada para realização de pedidos online reunindo diversos restaurantes, porém agora, quase 20% de seus pedidos utilizam tecnologia própria da empresa, atingindo um tempo médio de entrega de 28 minutos.

Com os números, o iFood passa a ser 17 vezes maior do que seu principal concorrente no Brasil. Considerando uma média diária de 558 mil pedidos processados, o iFood hoje já ultrapassou inclusive alguns dos principais players globais.

O iFood tem experiência e tecnologia únicas para atender o consumidor brasileiro, em um vasto mercado em que mais de 120 milhões de pessoas usam smartphones e fazem pedidos online. Buscando a ampliação de atendimentos mensais no País, com foco na casa de bilhões de refeições, a empresa está duplicando seu investimento em IA, logística, melhorias de sistemas e tecnologia. Entre as áreas a serem priorizadas pelo iFood estão tecnologias para favorecer a redução de preços e eficiência dos serviços.

“Aplicando inteligência artificial e ciência de dados, o iFood já consolidou sua principal posição no mercado. Nós acreditamos que a combinação dos melhores restaurantes, tecnologia, ampliação da base nacional, eficiência nos custos e em escala, vai possibilitar que o iFood ofereça uma experiência ainda melhor para seus consumidores”, diz Carlos Moyses, CEO do iFood.

Os esforços incluem o investimento de cerca de 1,5 bilhão de reais (aproximadamente US$400 milhões) somente este ano. O valor é parte integrante dos US$ 500 milhões anunciados no ano passado pelos acionistas Movile, Naspers, Just Eat e Innova Capital.

Do total dos investimentos previstos para o ano, US$ 20 milhões serão aplicados na criação de uma Academia de Inteligência Artificial, em que o iFood vai liderar pesquisas nas áreas de machine learning, deep learning, eficiência logística, entre outras. 

A área será comandada por Sandor Caetano, que assume como Head de Ciência de Dados do iFood, reportando ao vice-presidente de Inteligência Artificial e Inovação, Bruno Henriques. Antes de ingressar na companhia, Caetano liderou a área de machine learning e ciência de dados do Nubank, além de ter atuado por mais de 10 anos em consultorias e empresas de tecnologia. A estimativa é que a divisão de inteligência artificial do iFood atinja 100 pessoas até o fim do ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here